Biologia, GENÉTICA, Trabalho Escolar

LIGAÇÃO GÊNICA E PERMUTAÇÕES – O que é ligação gênica? – GENÉTICA – Gametas parentais e recombinantes – Biologia – Trabalho Escolar

LIGAÇÃO GÊNICA E PERMUTAÇÕES

1. O que é ligação gênica?

Dois ou mais pares de genes alelos localizados em diferentes pares de cromossomos homólogos segregam-se independentemente. Portanto, esta é a condição de validade da segunda lei de Mendel.

Quando dois ou mais pares de genes alelos estão localizados em um mesmo par de cromossomos homólogos, eles não obedecem à lei da segregação independente. Afinal, durante a meiose irá haver uma tendência de que esses genes permaneçam unidos, quando o par de homólogos se separar, como mostra a figura abaixo.

Quando dois ou mais pares de genes alelos se localizam em um mesmo par de cromossomos, dizemos que eles apresentam ligação gênica (ou ligação fatorial). Os autores de língua inglesa dão a essa situação o nome de linkage. No entanto, há um fenômeno capaz de alterar essa tendência de união. É a permutação gênica (ou crossing-over), troca de fragmentos entre cromossomos homólogos, que pode acontecer na prófase da primeira divisão da meiose.

Quando dois pares de genes alelos estão situados de tal forma, em um par de homólogos, que não ocorre permutação entre eles, diz-se que há linkage total entre eles. Caso haja permutação, o linkage é parcial.

Em um caso de ligação gênica, não basta se conhecer o genótipo de um indivíduo. É necessário que se determine a posição relativa dos genes no par de homólogos. Por que isso é tão importante? Observe as duas situações mostradas a seguir:

Podemos notar que, embora as duas células possuam os mesmos genes, a sua posição, no par de cromossomos homólogos não é a mesma, o que determina a produção de tipos diferentes de gametas, na meiose.

Existem diversas formas de se indicar a posição dos genes no par de homólogos. As mais comuns são:

Uma outra forma de se indicar essa posição relativa dos genes é uma nomenclatura habitualmente usada pela química orgânica. O duplo-heterozigoto que tem os dois genes dominantes no mesmo cromossomo e os dois recessivos no outro (AB/ab) é chamado de heterozigoto “cis”. O duplo-heterozigoto cujos genes dominantes estão em cromossomos diferentes do par de homólogos (Ab/aB) é o heterozigoto “trans”.

2. Gametas parentais e recombinantes

Quando as células de um indivíduo cujo genótipo é genótipo AB/ab sofrem meiose e originam gametas, os tipos de gametas formados podem variar em função da ocorrência ou não da permutação.

Não acontecendo o crossing-over, apenas dois tipos de gametas poderão se formar: AB e ab. Caso ocorra o crossing-over, além desses dois tipos também poderão ser encontrados os gametas aB e Ab.

É importante destacar que, mesmo ocorrendo o crossing-over, os gametas AB e ab se formam, uma vez que as cromátides externas não trocam fragmentos entre si. Veja novamente a figura anterior e repare que apenas as cromátides internas, também chamadas cromátides vizinhas, trocam fragmentos!

Os gametas dos tipos AB a ab, cujo aparecimento não depende da ocorrência da permutação, são chamados gametas parentais, porque eles refletem a posição dos genes nas células. Os gametas dos tipos Ab e aB, que só aparecem caso aconteça a permutação, são chamados recombinantes.

Anúncios
Standard

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s