Dicas de Português, Língua Portuguesa, Matéria Português, Português, Sintaxe

Saiba por que não podemos chamar ‘defensor da natureza’ de ‘ecologista’ – Matéria Português – Dicas de Português – Língua Portuguesa

Saiba por que não podemos chamar ‘defensor da natureza’ de ‘ecologista’

Alguns comentários interessantes.

1º) “Alguém já disse que uma mentira repetida à exaustão acaba virando verdade. Isto está acontecendo com algumas palavras da língua portuguesa que, de tanto serem repetidas de maneira errada ou inadequada, acabam por serem aceitas como corretas e vem daí a minha indignação. ECOLOGIA, por exemplo, é a parte da biologia que estuda as relações entre os seres vivos e o meio ou o ambiente em que vivem.

Pois bem, as pessoas andam usando e abusando da palavra para designar os danos causados ao meio ambiente. Tanto a imprensa escrita como a falada cometem o mesmo erro. Leio e ouço a toda hora expressões como: ‘O vazamento de óleo causou danos à ecologia’; ‘Os prejuízos causados à ecologia pelo desmatamento…’ O vazamento de óleo e o desmatamento causam danos ao meio ambiente, aos animais, às plantas e não à ecologia que, de acordo com a sua definição, é uma ciência que estuda as relações entre os seres vivos e o meio ambiente e não o próprio meio ambiente. O senhor concorda comigo?”

Concordo. A exemplificação da leitora é claríssima.

Outro caso que me incomoda é chamar qualquer defensor da natureza de ecologista. Um simples amante e defensor da natureza pode ser chamado de ambientalista. Ecologista é o estudioso, é quem estuda a ciência (=ecologia).

2º) “Eu gostaria de saber se está correto o modo como

muitas empresas estão usando atualmente o gerúndio no trato com o cliente. Coisas do tipo: ‘Amanhã estaremos enviando para o senhor…’ e ‘Quando o senhor estiver recebendo, queira por favor estar nos confirmando o recebimento’. Isso pode até ser (ou poderá estar?) gramaticalmente correto, mas não é uma forma antipática de se expressar?”

É antipática e inaceitável.

Já falamos sobre o assunto aqui nesta coluna, mas é sempre bom repetir.

Nós já vimos que o gerúndio, fundamentalmente, indica tempo simultâneo ou ação durativa. Fica totalmente ilógico o uso do gerúndio como se fosse futuro. Em vez de “estaremos enviando”, devemos simplesmente dizer “enviaremos ou vamos enviar”; em vez de “quando o senhor estiver recebendo”, diga “quando o senhor receber” (=futuro do subjuntivo); em vez de “queira por favor estar nos confirmando”, basta “queira nos confirmar” (=infinitivo).

3º) “Esta frase eu ouvi de Totonho, um capataz de Rondonópolis – MT. Totonho relatava um caso de picada de cobra em um peão: ‘Aí, eu falei pro caboclo: – Pelo amor de Deus, não vai me morrer agora. E não é que o caboclo me morre!’ Por favor, dê sua opinião sobre ela.”

É óbvio que uso do pronome “me” é totalmente desnecessário. Sua presença na frase caracteriza uma linguagem tipicamente regional. Pior é o gaúcho que tem a mania de dizer “eu me acordei lá pelas 11h”. Fico imaginando o gauchão, ainda dormindo, “catucando” a si mesmo para “se” acordar.

4º) “Eu não tenho muita fé nos letrados. Pois como podem eles (portugueses, brasileiros e outros de países de língua portuguesa) tomar decisões que só podem resultar em confusão? Os tais letrados resolveram abolir o acento agudo que diferencia o presente do passado! Caso concreto: a sua coluna começa com um ‘lançamos’ que me fez voltar atrás para reler o início da frase. Isso é mudar a escrita sem adquirir nenhum benefício, antes pelo contrário: é mudar por mudar.”

É bem provável que a maioria dos leitores brasileiros não tenha entendido a crítica do nosso leitor português. Em Portugal, a primeira pessoa do plural do presente do indicativo é pronunciada diferentemente da primeira pessoa do plural do pretérito perfeito do indicativo: nós lançamos (vogal “a” com timbre fechado = presente) e nós lançámos (vogal “a” com timbre aberto = passado).

Aqui no Brasil, nós não fazemos distinção alguma: pronunciamos “nós lançamos”, com timbre fechado, tanto no presente quanto no passado.

A reclamação do nosso leitor se deve ao fato de o acento agudo ter sido abolido. Hoje devemos escrever “lançamos” sem acento em qualquer situação, daí a confusão. No Brasil, não sentimos o problema mais concretamente porque nunca usamos o tal acento, afinal nunca fizemos distinção de pronúncia entre o presente e o pretérito perfeito.

5º) “Não haveria crase em anterior a ação de chegar?”

Tudo que é anterior é anterior “a” alguma coisa. Isso significa que temos a preposição “a”;

“A ação de chegar” é uma ação determinada. Isso significa que temos o artigo definido feminino “a”.

Assim sendo, ocorre a crase. O correto é colocarmos o acento grave para indicar a crase: “…anterior à ação de chegar”.

6º) “Qual é a expressão correta: Amanhã irei ao vernissagem ? ou Amanhã irei à vernissagem ?”

Segundo os dicionários Aurélio e Michaelis, a grafia correta é vernissage e é um substantivo masculino. Portanto, “…irei ao vernissage”.

O Vocabulário Ortográfico da Academia Brasileira Letras registra as duas formas: vernissage (substantivo masculino) e vernissagem (substantivo feminino).

Assim sendo, nós podemos ir “ao vernissage” ou “à vernissagem”.

7º) PRESCREVER ou PROSCREVER?

PRESCREVER = “receitar” = “Para o tratamento das minhas alergias, o médico

prescreveu banho frio”; “perder a validade” = “O prazo de validade dos remédios já prescreveu”;

PROSCREVER = “banir, abolir, expulsar” = “No meu tratamento, o banho frio foi proscrito.”

Observem o cuidado que os médicos devem tomar ao usar os verbos PRESCREVER e PROSCREVER. No caso do tratamento de alergias, se o médico prescreve, o paciente vai tomar banho frio; se o médico proscreve, o paciente só vai tomar banho quente. Isso significa que, por causa de uma letrinha, o paciente pode passar muito mal, não ficar curado das suas alergias ou coisa pior.

Advertisements
Standard

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s