Concordância, Dicas de Português, Gramática, Hífen, Língua Portuguesa, Matéria Português, Português

Hífen – Saiba quando usar o hífen para separar palavras iniciadas com ‘mini’ – Matéria Português – Dicas de Português – Língua Portuguesa

Saiba quando usar o hífen para separar palavras iniciadas com ‘mini’

1a) “Devemos mesmo escrever todas as palavras com o “mini” incorporado à palavra ou separado sem hífen ou com hífen?”

Segundo o novo acordo ortográfico, só há hífen quando MINI antecede palavras iniciadas por H ou vogal igual (i): mini-hospital, mini-internato…

Nos demais casos, o elemento “mini” deve ser usado sempre “junto”, sem hífen: minissaia, minissérie, miniusina, minirreator, minidesvalorização, minibar, minienvelopes, minipãezinhos…

2a) “Noventa por cento do paisagismo, desenhado por Roberto Burle Marx, já foi restaurado. O correto não seria já foram restaurados?”

A concordância com as percentagens é um tema bastante polêmico. Há quem prefira a concordância com o número percentual: “Noventa por cento do paisagismo foram restaurados”; e aqueles que preferem a concordância com o especificador: “Noventa por cento do paisagismo foi restaurado”. Não é, portanto, uma questão de certo ou errado. É uma questão mais de estilo ou preferência. A minha constatação é que hoje há uma visível preferência pela concordância com o especificador: “Sessenta por cento da população já foi vacinada”, “Um por cento das crianças foram vacinadas”.

3a) “Está certo dizer ‘tenho soltado todos os pássaros engaiolados que encontro’ e ‘o delegado havia soltado ontem esse ladrão’?”

Está corretíssimo. Para os verbos que apresentam particípios abundantes (=solto e soltado, aceito e aceitado, entregue e entregado, suspenso e suspendido…), devemos adotar a seguinte regra: a) com os verbos ter e haver, devemos usar a forma regular terminada em “-ado” ou “-ido”: “tinha ou havia soltado os pássaros”, “havia aceitado o convite”, “tinha entregado os documentos”, “tinha ou havia suspendido os jogadores”… b) com os verbos ser ou estar, devemos usar a forma irregular: “os pássaros foram soltos”, “o convite foi aceito”, “os documentos serão entregues”, “os jogadores estavam suspensos”…

4a) “Já vi escrito num livro de português adeqúo e argúo. Acredito na existência dessas formas, pois, em certas situações, não há outra opção.”

Rigorosamente, o verbo adequar é defectivo, ou seja, não apresenta algumas formas. Para a maioria dos estudiosos não existe a forma “adeqúo”. A solução é substituir por um verbo sinônimo ou expressão equivalente: em vez de “eu me adeqúo à atual situação”, poderia ser “eu já estou adequado à atual situação” ou “estou me adequando à atual situação”.

O verbo arguir não é defectivo. A 1ª pessoa do singular do presente do indicativo é “eu arguo”. O detalhe é que não há acento agudo na vogal “u”, embora a sílaba tônica seja a penúltima (=”gu”). Devemos pronunciar “arguo”.

PÊGO, PEGO ou PEGADO?

Dúvida do leitor: “Na minha juventude nunca ouvi alguém falar que “foi pêgo”. Agora, a TV (Rio e São Paulo passam o tempo falando essa asneira. Até o jornal que se acha o melhor do país, que é a F. São Paulo, caiu nessa). Sob a minha óptica, respaldado no Caldas Aulete e no Delta Larouse, pêgo é uma ave. Para mim, o Aurélio é um dicionário popular da língua portuguesa. É bom tê-lo para tirar dúvidas, mas com visão crítica.”

Meu caro leitor, eu também aprendi na minha juventude que o particípio do verbo pegar era somente pegado: “Ele tinha pegado os documentos”, “Ele foi pegado em flagrante”.

O problema é que as línguas são vivas, elas evoluem, elas se transformam. E isso não é um fenômeno exclusivo da língua portuguesa. O difícil é estabelecer um critério para aceitar ou não as novidades linguísticas.

Entretanto é fato que a forma pego (“pêgo” em algumas regiões e “pégo” em outras) está consagradíssima. Hoje há registros em várias obras da nossa literatura e nos estudos de muitos especialistas.

Sugiro que você, meu caro leitor, não sofra tanto, senão terá que procurar algum cardiologista. Que fique bem claro: se usarmos a forma pegado, estamos falando corretamente. Quanto à forma pego, é perfeitamente aceitável na fala coloquial e discutível em textos que exijam o chamado padrão culto da nossa língua. Inaceitável é exigir que o candidato ao vestibular, por exemplo, saiba se o gramático Fulano de Tal considera  a forma pego “certa” ou “errada”.

POR QUE ou POR QUÊ?

Pergunta de leitor: “Reforma Agrária, por que? ou Reforma Agrária, por quê?”

Segundo as nossas regras ortográficas, a palavra que, no fim da frase, interrogativa ou não, torna-se tônica. Daí a necessidade do acento circunflexo: “Reforma Agrária, por quê?”

Advertisements
Standard

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s