Dicas, Matéria Português, O que é a língua portuguesa, Português

Vícios do “futebolês” – Conheça alguns vícios mais comuns dos comentaristas de futebol – Matéria Português – Dicas de Português – Língua Portuguesa


Conheça alguns vícios mais comuns dos comentaristas de futebol

Vícios do “futebolês”

A linguagem esportiva está sempre a merecer a nossa atenção. Basta um descuido nosso e lá estão os velhos vícios de volta.

Vamos comentar hoje uma série de exemplos coletados por nossos leitores.

Jogavam Flamengo e Peñarol no Estádio Centenário em Montevidéu. Logo após o árbitro ter encerrado o jogo, os jogadores uruguaios partiram para a briga e agrediram os rubro-negros. Além da triste cena de selvageria explícita, tivemos o desgosto de ouvir de um comentarista “especializado”: “Transformaram o Estádio Centenário numa verdadeira praça de guerra”. Por que verdadeira? Poderia ter sido uma “falsa” praça de guerra? E, cá entre nós, ninguém aguenta mais a tal “praça de guerra”. Eta chavãozinho batido! Minha ênfase é intencional. Afinal, todo chavão é “batido”.

Outro dia, o repórter que fazia a cobertura do treino do Corinthians: “O clima entre os jogadores é de alto astral”. O astral entre os jogadores pode estar alto, mas a linguagem dos repórteres esportivos está muito pobre. Foi o décimo quinto alto astral que ouvi só naquele mês. De vez em quando, o “alto astral” poderia virar “bom ambiente”, “jogadores animados”, “time otimista”…

Pode haver quem ache que eu esteja sendo muito rigoroso, mas é importante alertar nossos jornalistas esportivos para a pobreza dos clichês: “lenda viva”, “monstro sagrado”, “subiu no 3o andar (para cabecear)”, “chutar contra o patrimônio”, o zagueiro que “não perde a viagem”…

Mais incrível foi o narrador de um jogo da série B dizer que “o Fulano de Tal cobrou o manual”. Pelo amor de Deus, quem cobrava “manual” era “beque” da década de 50. É do tempo do off side e do center half. É do tempo que narrador era speaker.

Por falar em narrador, um alerta vermelho: “O atacante estava literalmente impedido”. Literalmente como? A quem interessar possa: LITERAL significa “transcrição por escrito, com todas as letras; fiel ao texto original, sem alterar palavra”. Logo, é impossível alguém ficar “literalmente impedido”. Não dá para aceitar nem como metáfora.

Já que falamos de palavras mal usadas. É bom lembrar a “febre” do DEFINIR: “As datas dos jogos ainda não foram definidas” (marcadas, fixadas); “O técnico ainda não definiu o time que sairá jogando” (decidiu, escalou); “Ele ainda não definiu quem será o substituto” (escolheu, decidiu)… Além do empobrecimento vocabular, o verbo DEFINIR está sendo mal usado.

Para facilitar as coisas: “DEFINIR o adversário” não é determinar quem será ele e sim dizer como ele é (negro, alto, forte, 27 anos…).

Portanto, esta história de “definir placar” é uma asneira imensa. DEFINIR não é “dar fim”. Trocaram o velho chavão “dar cifras definitivas ao placar” pelo modernoso e duvidoso “definir o placar”. Piorou.

Para terminar, dois errinhos:

1o) “A bola passou entre a barreira.” Entre a barreira e o quê? Ora, a bola passou pelo meio da barreira ou entre os jogadores que estavam na barreira.

2o) “Ronaldinho preferiu correr com a bola ao invés de chutar.” O certo é “em vez de chutar”. Ele trocou uma coisa por outra. AO INVÉS DE significa “ao contrário de”. Só devemos usar AO INVÉS DE, quando forem coisas opostas. E “correr com a bola” e “chutar” não são coisas opostas.

ENTRE ou DENTRE?

Leitora quer saber quando usar ENTRE e DENTRE.

1)    A preposição ENTRE só deve ser usada com “unidades” (entre elementos ou entre conjuntos):

“A bola passou entre os jogadores da barreira.”

“Ronaldinho ficou entre o pai e a mãe da noiva.”

“Andava entre as árvores da floresta.”

“Desejamos a paz entre as nações.”

Devemos evitar o uso da preposição ENTRE antes de palavras com ideia “coletiva”:

“A bola passou entre a barreira.” (= “no meio da barreira” ou poderia ser “entre a barreira e o juiz”)

“Ronaldinho ficou entre o casal.” (= “entre os pais da noiva” ou poderia ser “entre o casal e a noiva”)

“Andava entre a floresta.” (= “entre as árvores” ou poderia ser “entre a floresta e o rio”)

“Desejamos a paz entre a população.” (= “entre os homens, entre as pessoas, entre os habitantes, entre os povos” ou poderia ser “entre a população e o governo”)

2)    Devemos usar a forma DENTRE quando há um sentido de “movimento” ou de “posse” (=de entre):

“Dentre os relacionados, saiu Ronaldinho.”

“Dentre os candidatos, surgiu Fulano de Tal.”

“Um dentre os acusados é o assassino.”

“Alguém dentre nós terá de resolver o problema.”

PARA ONDE ou PARA AONDE?

Leitor quer saber qual é forma correta: “PARA ONDE ou PARA AONDE vão nossas crianças?”

O certo é “PARA ONDE vão nossas crianças”.

A forma “para aonde” simplesmente não existe.

Existem AONDE (=quando você vai “a” algum lugar) e PARA ONDE (=quando você vai “para” algum lugar):

“Ipanema é a praia AONDE ela vai em todos os fins de semana.” (=Ela vai à praia);

“São Paulo é a cidade PARA ONDE ele foi transferido.” (=Ele foi transferido para São Paulo).

Standard

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s