História

Revolta da Chibata II (Continuação)

Liberdade e esperança
Manchete do jornal Gazeta de Notícias
João Cândido foi levado para o Hospital dos Alienados em 18 de abril de 1911, por lá ficando por alguns meses fazendo exames psiquiátricos e passando por vários médicos para tentar encontrar algum sinal de loucura dele. Com o tempo, os sinais de estresse pós-traumático que obteve ao ver os seus companheiros morrendo na masmorra da Ilha das Cobras foram passando. Fez amizades com pacientes, teve comportamento normal, e estava em um quarto de frente, bem arejado e com muito sol. Contemplava a enseada de Botafogo e lia alguns jornais. Dois meses depois, recebeu alta hospitalar assinada pelo então diretor do hospital, o Dr. Juliano Moreira.
Laudo do Dr. Juliano Moreira
Só que a alta não significou a liberdade. João Cândido foi enviado à prisão da Ilha das Cobras por dois anos. Enquanto esteve lá, teve início o julgamento dos marinheiros que participaram da Revolta e suspeitos de participação da revolta do Batalhão Naval. Eles não tinham advogados, A Irmandade da Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos contratou três dos melhores causídicos para a defesa dos réus: Evaristo de Morais, Jerônimo de Carvalho e Caio Monteiro de Barros. Eles entraram em contato com os marinheiros e os encontraram com a saúde abalada, fracos e alguns até com tuberculose. Os advogados aceitaram a causa, mas recusaram o pagamento da Irmandade.
De acordo com o historiador Álvaro Pereira do Nascimento:
“O processo criminal foi aberto. Aproximadamente cem marinheiros foram indiciados, inclusive os dois sobreviventes da Ilha das Cobras, mas muitos deles já haviam conseguido escapar para outras regiões do país. Mesmo assim, a Marinha enviava “mandados de intimação” aos delegados de polícia das principais capitais do país, para que prendessem os “réus” e os extraditassem para a capital. Os mandados de intimação expedidos aos delegados de polícia não alcançaram o resultado esperado e, assim, somente dez marinheiros foram julgados; entre eles, João Cândido, Francisco Dias Martins e Gregório do Nascimento – os líderes da primeira Revolta. Durante dois anos, o Conselho de Guerra – o tribunal militar da Marinha – registrou no processo o depoimento das testemunhas e dos envolvidos.”
O julgamento demorou 48 horas, até que saiu a sentença. Leia o trecho final:
João Cândido após o julgamento
“Considerando, finalmente, que não existe nos autos nenhuma prova de que os réus tenham praticado qualquer ato que, autorizando a suspeita de participação na referida revolta, revista a figura jurídica do art. 93 do Código Militar, e que as faltas que lhes são imputadas constituem simples infrações disciplinares, cujo conhecimento escapa da competência do Conselho de Guerra, art. 219, do Regimento citado, por unanimidade de votos julga não provada a acusação para o fim de absolver, como absolve, os réus João Cândido, Ernesto Roberto dos Santos, Deusdedit Teles de Andrade, Francisco Dias Martins, Raul de Faria Neto, Alfredo Maia, João Agostinho, Vitorino Nicácio de Oliveira, Antônio de Paula e Gregório do Nascimento, ficando, porém, suspensa a execução desta sentença em virtude da apelação necessária, interposta para o Supremo Tribunal Militar, na forma da lei.”
João Cândido aproximou-se de Evaristo de Morais e o abraçou como se fosse um irmão. Cumprimentou os advogados Jerônimo de Carvalho e Caio Monteiro de Barros, enquanto os outros companheiros, bem nervosos, se entregavam a justas manifestações de alegria. Foram todos ao encontro de João Cândido e cumprimentaram-no, respeitosamente.
João Cândido vendendo peixe na Praça XV
Mesmo absolvidos, João Cândido e os outros marinheiros foram excluídos da corporação. Perseguido pelos militares, não conseguiu voltar para a Marinha de Guerra, que tanto amava. Tentou entrar na Marinha Mercante, mas quando descobriam quem ele era, João Cândido era “dispensado”.
Casou-se três vezes, teve 11 filhos. Foi morar em São João de Meriti, município da baixada fluminense. Passou o resto de sua vida sustentando sua família vendendo peixe na Praça XV. Em 1953, soube que o encouraçado Minas Gerais ia ser vendido como sucata. Então embarcou em um pequeno barco de pesca e foi até o navio durante a noite, beijando seu casco para se despedir. Depois continuou sua vida simples, até que em 1969 se sentiu mal e foi levado ao Hospital Getúlio Vargas, onde viria a falecer de câncer, aos 89 anos de idade. Faleceu magoado com a Marinha, mas ainda assim muito grato a ela.
“Entrei na Marinha bisonho, e toda luz que me iluminou e me ilumina, graças a Deus, que é pouca, foi adquirida, posso dizer, na Marinha.”
MOREL, Edmar. A Revolta da Chibata: subsídios para a história da sublevação na Esquadra pelo marinheiro João Cândido em 1910. 5ª edição comemorativa do centenário da Revolta da Chibata, organizada por Marco Morel. São Paulo: Paz e Terra, 2009.
NASCIMENTO, Álvaro Pereira do. Cidadania, cor e disciplina na Revolta dos Marinheiros de 1910. Rio de Janeiro: Mauad X : FAPERJ, 2008.
Prisão e agonia
João Cândido saindo escoltado do Hospital Central do Exército
Os anistiados de novembro de 1910 foram considerados coparticipantes da segunda revolta, mesmo que não tivessem tomado parte na revolta do Batalhão Naval. No dia que estourou a segunda revolta, os oficiais, ao ouvirem os primeiros tiros da Ilha das Cobras, abandonaram seus respectivos postos, arriaram os botes e zarparam para terra. João Cândido estava no Minas Gerais e decidiu assumir o navio, levando-o para longe da linha de tiroteio. Após a rendição ao governo em 26 de novembro, o grupo formado por João Cândido, Francisco Dias Martins, Manoel Gregório, André Avelino e outros parece ter perdido a unidade de liderança frente a todos os marinheiros.
A repressão começou no dia seguinte ao levante no Batalhão Naval. Assim que pôs os pés em terra, João Cândido foi preso sob a acusação de ter movimentado o Minas Gerais. Assim como o líder do Minas Gerais, centenas de outros começavam a ser presos e a lotar a Casa de Detenção, quartéis do Exército e da polícia, assim como o presídio da Ilha das Cobras. Isso tudo já na manhã do dia 11 de dezembro. Antes de se julgar qualquer ex-amotinado, a Marinha já começava a puni-los. Centenas de marinheiros foram deportados para o Pará nos porões do paquete Satélite. A viagem, contudo, terminaria no Acre, onde foram  oferecidos para o trabalho nos seringais e na abertura da ferrovia Madeira-Mamoré. a polícia, a Marinha e o Exército aproveitaram a mesma viagem do Satélite para “limpar” a cidade, extirpando todos aqueles que representassem ameaça à ordem e à disciplina: marinheiros, soldados, presos e presas civis. Porém, antes de chegarem ao destino, alguns marinheiros foram fuzilados sob a acusação de estarem tramando uma revolta a bordo do Satélite.
Mapa antigo da Ilha das Cobras
No dia 22 de dezembro, chegavam ao presídio da Ilha das Cobras o marinheiro João Cândido e outros que passariam a noite numa das piores celas daquela instituição. Essa cela era remanescente do período colonial, estava encravada nas pedras da ilha, o que impedia a entrada de luz natural e maior circulação de ar. Uma pequena cela para 18 homens. Todos morreram sufocados por causa da inalação do pó da cal usado para desinfetar o local. Somente João Cândido e o marujo João Avelino Lira sobreviveram. João Cândido relata essa experiência:
“A prisão era pequena e as paredes estavam pichadas. A gente sentia um calor de rachar. O ar, abafado. A impressão era de que estávamos sendo cozinhados dentro de um caldeirão. Alguns, corroídos pela sede, bebiam a própria urina. Fazíamos as nossas necessidades num barril que, de tão cheio de detritos, rolou e inundou um canto da prisão. A pretexto de desinfetar o cubículo, jogaram água com bastante cal.
Havia um declive e o líquido, no fundo da masmorra, se evaporou, ficando a cal. A princípio ficamos quietos para não provocar poeira. Pensamos resistir os seis dias de solitária, com pão e água. Mas o calor, ao cair das dez horas, era sufocante. Gritamos. As nossas súplicas foram abafadas pelo rufar dos tambores. Tentamos arrebentar a grade. O esforço foi gigantesco. Nuvens de cal se desprendiam do chão e invadiam os nossos pulmões, sufocando-nos. A escuridão, tremenda. A única luz era um candeeiro a querosene. Os gemidos foram diminuindo, até que caiu o silêncio dentro daquele inferno, onde o Governo Federal, em quem confiamos cegamente, jogou dezoito brasileiros com seus direitos políticos garantidos pela Constituição e por uma lei votada pelo Congresso Nacional. Quando abriram a porta já tinha gente podre. O médico do Batalhão Naval, um homem muito querido, o Dr. Guilherme Ferreira, negou-se a fornecer os atestados de óbito como morte natural. Retiraram os cadáveres e lavaram a prisão com água limpa, e nós dois, os únicos sobreviventes, fomos metidos, novamente, na desgraçada prisão. Lá fiquei até ser internado como louco no hospício.
Um dia o carcereiro abriu a porta e disse que eu iria sair. Colocaram-me dentro de um carro. Fui acompanhando o trajeto. A princípio passei pela avenida Beira-Mar, veio Botafogo e, na Praia Vermelha, o veículo entrou num velho casarão. Era o Hospital dos Alienados, onde fui jogado como doido varrido. Depois da retirada dos cadáveres, comecei a ouvir gemidos dos meus companheiros mortos, quando não via os infelizes, em agonia, gritando desesperadamente, rolando pelo chão de barro úmido e envoltos em verdadeiras nuvens de cal. A cena dantesca jamais saiu dos meus olhos.”
MOREL, Edmar. A Revolta da Chibata: subsídios para a história da sublevação na Esquadra pelo marinheiro João Cândido em 1910. 5ª edição comemorativa do centenário da Revolta da Chibata, organizada por Marco Morel. São Paulo: Paz e Terra, 2009.
NASCIMENTO, Álvaro Pereira do. Cidadania, cor e disciplina na Revolta dos Marinheiros de 1910. Rio de Janeiro: Mauad X : FAPERJ, 2008.
Nova revolta, novos problemas
Marinheiros sendo escoltados para a prisão
Após a expulsão da Marinha, muitos marinheiros foram presos. As justificativas de que estavam organizando uma nova revolta fez com que eles fossem perseguidos e presos e anulando todas as questões de anistia. Tudo gerado pelo medo dos oficiais que temiam um novo levante, já que até aquele momento não havia sido feita nenhuma mudança nos códigos da Marinha, era um acerto de cumprimento da Constituição pelo fim dos castigos corporais. Mas os boatos de que algo aconteceria em breve não tardaram a ficar mais fortes. Havia, inclusive, um boato de que o Exército invadiria os navios a fim de auxiliar oficiais da Marinha de Guerra na vingança aos oficiais mortos do 22 de novembro. Segundo o capitão Anthero José Marques, que na época havia sido sargento do batalhão, aconteceu o seguinte:
“No dia 29 de novembro começaram a circular boatos de nova sublevação nos navios e também no Batalhão Naval. No dia 2 de dezembro a polícia efetuou a prisão de 8 marinheiros e um soldado naval, que se achavam conspirando em uma casa, na rua do Lavradio. No dia 4, foram presos pela polícia mais 22 marinheiros, que se achavam reunidos em uma casa, na Piedade. Pelo inquérito a que essas praças responderam, ficou apurado tratar-se de nova revolta a bordo dos navios, na qual o Batalhão Naval tomaria parte. No dia 5, foi ordenado no Batalhão Naval rigorosa prontidão, recolhendo-se ao quartel os destacamentos que estavam e que não eram necessários.”
Batalhão Naval
O Batalhão Naval, estabelecido na Ilha das Cobras, era vinculado à Marinha mas respondia a outros regulamentos. Nele, havia soldados – e não marinheiros – que tinham sobretudo a função de infantaria. O Batalhão era responsável pela vigilância das dependências e navios da Armada. Mas às 22:30 do dia 9 de dezembro, foi ouvido o toque de corneta de “Batalhão Naval, avançar”. Iniciava-se a segunda revolta, agora na Ilha das Cobras, e em meio a soldados do Batalhão. O líder desta revolta, Jesuíno da Lima Carvalho, apelidado de “Piaba”, ordenou que os flancos fossem guarnecidos, que arrombassem o paiol e distribuíssem o armamento, que libertassem todos os presos e os armassem e, finalmente, tomou posse do telégrafo para manter um canal de comunicação com os anistiados em novembro e o próprio governo. A ideia era evitar uma invasão das forças do Exército.
Os amotinados mandaram radiogramas para o encouraçado Minas Gerais e para o presidente da República, dizendo “que tinham se revoltado porque os oficiais pretendiam com forças do Exército apoderaram-se do Batalhão para abordarem o Minas Gerais”. O levante no Batalhão Naval não procurava validar reivindicações como em novembro, nem pôr o governo contra a parede. Na verdade, surgiu como reação à possibilidade de os oficiais alcançarem os intentos veiculados nos boatos espalhados pelos capitães tenentes Radamante e P. Rocha. Piaba e os demais cabeças parece terem agido em defesa do governo e dos marinheiros anistiados, impedindo que os oficiais se unissem ao Exército e cometessem um atentado contra a ordem republicana: ir a bordo do Minas Gerais e degolar todos os marinheiros que se achavam por terem esses assassinado o comandante Batista das Neves.
A troca de tiros e os gritos de “Viva a Liberdade” foram novamente repetidos pelos soldados do Batalhão. Os marinheiros que haviam se amotinado em novembro não os apoiaram. O Batalhão Naval ficou só e, sendo um alvo fixo, não foi difícil destruí-lo. As barricadas foram montadas e espalhadas rapidamente pela beira da praia, da praça XV de Novembro ao Mosteiro de São Bento. Com o auxílio do Exército, os oficiais da Marinha já estavam preparados para realizar o intenso bombardeio que praticamente destruiu a maior parte das instalações da Ilha das Cobras, causando inúmeras mortes. Dessa vez, não houve negociação. Esmagada a revolta do Batalhão Naval, foi decretado o estado de sítio. Com esse instrumento, o governo Hermes da Fonseca pôde então agir com toda a liberdade para destruir qualquer foco de rebeldia na Armada. Começou, assim, a perseguição a todos os marinheiros e soldados suspeitos.
MOREL, Edmar. A Revolta da Chibata: subsídios para a história da sublevação na Esquadra pelo marinheiro João Cândido em 1910. 5ª edição comemorativa do centenário da Revolta da Chibata, organizada por Marco Morel. São Paulo: Paz e Terra, 2009.
NASCIMENTO, Álvaro Pereira do. Cidadania, cor e disciplina na Revolta dos Marinheiros de 1910. Rio de Janeiro: Mauad X : FAPERJ, 2008.
Tensão, traição e expulsão
Marinheiros do encouraçado São Paulo
Após a anistia ser concedida e o trabalho voltar ao normal nos navios (apesar do clima de desconfiança entre marujos e oficiais). Mas a pressão de alguns setores da sociedade e da imprensa, que publicava charges e notícias sobre a “rendição” do governo para marinheiros começou a incomodar o presidente Hermes da Fonseca e o ministro da Marinha Joaquim Marques Batista de Leão. Nos primeiros dias após a Revolta dos Marinheiros, ele começou a articular mudanças na Marinha. A primeira decisão do ministro foi, ainda no dia 27 de novembro, ordenar o desarme dos canhões dos navios que se rebelaram. Isso fazia com que os marinheiros não pudessem mais ameaçar o país para exigir qualquer coisa.
Mas no dia seguinte, a publicação do decreto nº 8.400 aumentou o pânico entre os marujos:
“Atendendo ao que lhe expôs o Ministro de Estado dos Negócios da Marinha, resolve autorizar a baixa, por exclusão, dos praças do Corpo de Marinheiros Nacionais, cuja permanência se torna inconveniente à disciplina; dispensando-se a formalidade exigida pelo artigo 150 do Regulamento anexo ao decreto nº 7.124, de 24 de setembro de 1908, e revogando-se as disposições em contrário. Rio de Janeiro, 28 de novembro de 1910. 89º da Independência e 22º da República. Hermes Rodrigues da Fonseca – Joaquim Marques de Leão.”
Charge de Hermes da Fonseca assinando a anistia
Isso atingiu diversos marinheiros, a ponto que os navios ficaram sem  pessoal para manutenção. Foi preciso recrutar portugueses em vários pontos da cidade até que os novos marujos, vindo das Escolas de Aprendizes da Marinha pudessem assumir seus postos. Até 31 de dezembro daquele ano, 1216 praças foram atingidos por esse decreto de expulsão. Eles não foram expulsos de uma vez, porque isso chamaria muito a atenção para a quebra da anistia feita pelo governo. Então, enquanto centenas de marinheiros anônimos começavam a sair da Marinha de Guerra, outros de maior destaque na imprensa e entre os colegas, como João Cândido, Francisco Dias Martins e Gregório do Nascimento, continuaram a frequentar os conveses do Minas Gerais, São Paulo, Bahia e Deodoro.
A Revolta fora uma alta insubordinação, a quebra do principal alicerce do militarismo: o respeito e a sujeição à hierarquia militar. Os militares estavam com receio daqueles marujos que já não iam mais aceitar os castigos como forma de punição. Esse decreto foi criado para retirar da Marinha de Guerra os marinheiros que se tornaram conscientes da sua posição na relação com seus superiores hierárquicos, das condições materiais de trabalho e do poder que tinham quando se organizavam. Na visão dos oficiais, retirar esses indivíduos dos conveses e quartéis era fundamental para a vigência da hierarquia militar.
Sem armamentos para reagir à nova lei, os excluídos começara a arrumar seus sacos de marinheiros e a abandonar os navios e quartéis da Marinha de Guerra… mas seus destinos ainda não estavam totalmente definidos.
MOREL, Edmar. A Revolta da Chibata: subsídios para a história da sublevação na Esquadra pelo marinheiro João Cândido em 1910. 5ª edição comemorativa do centenário da Revolta da Chibata, organizada por Marco Morel. São Paulo: Paz e Terra, 2009.
NASCIMENTO, Álvaro Pereira do. Cidadania, cor e disciplina na Revolta dos Marinheiros de 1910. Rio de Janeiro: Mauad X : FAPERJ, 2008.
Fim da Revolta!
Manchete do jornal Correio da Manhã, em 27 de novembro de 1910.
Com a anistia concedida, os marinheiros resolveram devolver os navios aos oficiais e terminar com a Revolta que, apesar da repressão e da curta duração, atingia seus objetivos que era o de fazer as vozes dos marujos serem ouvidas e garantir o cumprimento de suas reivindicações para ter uma vida mais justa na Marinha, como a melhoria da comida e do soldo, a melhor distribuição das funções no navio e principalmente o fim da Chibata.
Deputado José Carlos de Carvalho
Os marinheiros negociaram através do deputado José Carlos de Carvalho, que já havia estado a bordo dos navios São Paulo e Minas Gerais para ouvir suas reivindicações e levar a carta escrita por eles. E ainda era de confiança do governo e amigo do senador Pinheiro Machado. Os marinheiros confiavam no deputado porque além dele ter sido oficial durante a Guerra do Paraguai, ele havia feito um projeto para aumentar os salários das praças da Marinha e do Exército. Mas a confiança no deputado não era plena até o fim do motim, como demonstra o radiograma feito pelos marinheiros um pouco antes da entrega dos navios:
“Comandante José Carlos. Entraremos amanhã ao meio-dia. Agradecemos os seus bons ofícios em favor de nossa causa. Se houver qualquer falsidade o senhor sofrerá as consequências. Estamos dispostos a vender caro as nossas vidas.
Os Revoltosos.”
João Cândido entrega o Minas Gerais
Mas tudo ocorreu bem, e em 26 de dezembro, a notícia do fim da Revolta circulou por toda a imprensa, revelando os rostos dos marinheiros para a população. Os corpos dos oficiais mortos durante a tomada dos navios foram transportados por  uma lancha, assim como dos marujos mortos pelos seus superiores, levando a bandeira do Brasil para o funeral.
Os repórteres invadiram os navios, entrevistaram os amotinados e seus líderes, entre eles João Cândido, que em uma foto demonstra a entrega dos navios para o capitão Pereira Leite.
Porém, uma parte da imprensa começou a criticar o governo, dizendo que o presidente da República tinha se rendido aos marinheiros e que isso manchava a nação. O jornal O Estado de São Paulo, por exemplo, dizia em suas páginas: “…com as condições ditadas pela maruja insubordinada. O governo foi, portanto, vencido. Ou isso não é governo, ou nós é que não somos uma nação”. Outros jornais publicaram charges contra o presidente Hermes da Fonseca e sua atitude.
O serviço foi retornado nos navios, como se nenhuma gota de sangue tivesse escorrido, apesar de que no fundo havia um clima de tensão entre marinheiros e oficiais. Os marinheiros tinham medo que os oficiais, agora de volta ao topo da hierarquia militar, pudessem começar uma onda de vingança contra eles. Isso não ocorreu nos conveses, mas em terra firme.
MOREL, Edmar. A Revolta da Chibata: subsídios para a história da sublevação na Esquadra pelo marinheiro João Cândido em 1910. 5ª edição comemorativa do centenário da Revolta da Chibata, organizada por Marco Morel. São Paulo: Paz e Terra, 2009.
NASCIMENTO, Álvaro Pereira do. Cidadania, cor e disciplina na Revolta dos Marinheiros de 1910. Rio de Janeiro: Mauad X : FAPERJ, 2008.
A anistia é concedida
Notícia do Jornal do Brasil sobre a anistia aos marinheiros
Após as reuniões dos deputados e senadores, o projeto de anistia já estava quase fechado. Mas os senadores Pinheiro Machado e Rui Barbosa protagonizaram um debate sobre a melhor forma de por em prática a anistia. Rui Barbosa achava que o projeto de anistia devia ser votado de qualquer forma, o mais rápido possível, enquanto Pinheiro Machado se recusou a votar no projeto antes dos marinheiros se renderem, pois isso traria o enfraquecimento do governo por se render aos marinheiros com os canhões voltados pra cidade. Esse debate durou toda a tarde e só terminou quando o deputado José Carlos de Carvalho zarpou para os navios para informar aos líderes da Revolta que a anistia estava sendo negociada e que eles deviam enviar uma mensagem de rendição para facilitar o acordo no Senado.
Os marinheiros concordaram com essa situação, porque já haviam conseguido expor seus problemas para a imprensa e a sociedade. Entraram em acordo para o perdão das duas partes: os marinheiros seriam perdoados pela forma como agiram para serem ouvidos, e o governo seria perdoados por eles e teriam que se comprometer a discutir e resolver as péssimas condições de serviço na Marinha. Então enviaram um radiograma para o presidente informando da decisão:
Marinheiros do encouraçado Bahia
“Exmo. Sr. marechal Hermes da Fonseca, presidente da República – Arrependidos do ato que praticamos em nossa defesa, por amor da ordem, da justiça e da liberdade, depomos as armas, confiando que nos seja concedida anistia pelo Congresso Nacional, abolindo como manda a lei o castigo corporal, aumentando o ordenado e o pessoal, não importa, para que o serviço de bordo possa ser feito sem o nosso sacrifício. Ficamos a bordo obedientes às ordens de V. Ex. em quem muito confiamos – Os Reclamantes.”
Os marinheiros então resolveram aguardar o resultado do debate sobre a anistia, para que pudessem preparar os navios para serem entregues aos oficiais e saber de suas condições.
Eis o texto da anistia:
João Cândido lê o decreto de anistia no Diário Oficial
“Artigo 1º – É concedida anistia aos insurretos da parte de navios da Armada Nacional, se os mesmos, dentro do prazo que lhes for marcado pelo Governo, se submeterem às autoridades constituídas.
 Artigo 2º – Revogam-se as disposições em contrário.
Rio de Janeiro, 25 de novembro de 1910, 89º da Independência e 22º da República.”
Os marinheiros aguardaram a anistia sair no Diário Oficial, para ter a certeza que iam ser respeitados em suas medidas, e garantias de nenhuma punição para eles e que pudessem continuar na Marinha, mas de agora de uma forma mais digna.
MOREL, Edmar. A Revolta da Chibata: subsídios para a história da sublevação na Esquadra pelo marinheiro João Cândido em 1910. 5ª edição comemorativa do centenário da Revolta da Chibata, organizada por Marco Morel. São Paulo: Paz e Terra, 2009.
NASCIMENTO, Álvaro Pereira do. Cidadania, cor e disciplina na Revolta dos Marinheiros de 1910. Rio de Janeiro: Mauad X : FAPERJ, 2008.
As negociações
Encouraçado São Paulo
Durante a Revolta, as negociações começaram a acontecer. O governo se articulava para qual atitude ia tomar: bombardear os navios ou conceder anistia para os marinheiros. O governo optou por não atacar os marinheiros, o que desagradou os oficiais da Marinha, que viam na quebra da hierarquia feita pelos revoltosos algo de muito perigoso para a instituição, abrindo um precedente. Mas é preciso lembrar que dois encouraçados, o Minas Gerais e o São Paulo e o scout Bahia eram novos, recém-chegados da Inglaterra, onde foram construídos para o “Projeto de Reaparelhamento Naval”, plano de modernização da Esquadra brasileira aprovado 1904, e que não seria muito bom destruir esses navios.
Alguns políticos manifestaram-se a favor da anistia, entre eles o senador Rui Barbosa, que apesar de contrário ao motim porque acreditava que a autoridade militar estava sendo ameaçada, apresentou um projeto de anistia a pedido de um grupo de senadores. Com um discurso longo explicando as condições do país sob a mira dos mais modernos e poderosos canhões do mundo, Rui Barbosa fala para os senadores sobre as opções que restam:
Senador Rui Barbosa
“Ou o governo da República dispõe dos meios cabais e decisivos para debelar esse lamentável movimento, e então justo seria que os empregasse para restituir imediatamente a tranquilidade ao país; ou desses meios não dispõe o Governo da República e, em tal caso, o que a prudência, a dignidade e o bom senso lhe aconselham é a submissão às circunstâncias do momento.”
Em outro trecho de seu discurso, Rui Barbosa fala sobre a importância dos marinheiros e suas motivações para a revolta:
“O que constitui as forças das máquinas de guerra não é a sua mole, não é a sua grandeza, não são os aparelhos de destruição – é a alma do homem que as ocupa, que as maneja, e as arremessa contra o inimigo. As almas dessas máquinas que povoam os nossos grandes dreadnoughts, hoje, em nossa baía, sejamos justos ainda para com esses infelizes no momento de seu crime, as almas desses homens têm revelado virtudes que só honram a nossa gente e a nossa raça.
[…]
Extinguimos a escravidão sobre a raça negra, mantemos, porém, a escravidão da raça branca no Exército e na Armada, entre os servidores da pátria, cujas condições tão simpáticas são a todos os brasileiros. Era necessário que não se continuasse a esquecer que o marinheiro e o soldado são homens.”
O auditório do senado, formado pelos outros senadores, vibrou com o discurso do senador Rui Barbosa, sendo aplaudido calorosamente.
MOREL, Edmar. A Revolta da Chibata: subsídios para a história da sublevação na Esquadra pelo marinheiro João Cândido em 1910. 5ª edição comemorativa do centenário da Revolta da Chibata, organizada por Marco Morel. São Paulo: Paz e Terra, 2009.
NASCIMENTO, Álvaro Pereira do. Cidadania, cor e disciplina na Revolta dos Marinheiros de 1910. Rio de Janeiro: Mauad X : FAPERJ, 2008.
As reivindicações da marujada
Carta do marinheiros para o presidente.
Após tomarem os navios, os marinheiros apontaram os canhões para o Rio de Janeiro e efetuaram disparos de alerta. Os estrondos chegaram ao Clube da Tijuca, onde estava tendo a apresentação de uma ópera do compositor alemão Wagner para comemorar a posse do presidente Hermes da Fonseca, eleito uma semana antes, onde ele estava presente com todo seu ministério. Houve pânico em toda a cidade, vidraças foram estilhaçadas com o estrondo dos disparos, as pessoas fugiam para o subúrbio para poder ficar mais longe do mar com medo dos disparos. Era o caos total.
Presidente Hermes da Fonseca
Os marinheiros redigiram uma carta para o presidente, e nela consta reivindicações sobre o papel dos marinheiros para a melhoria de suas condições de vida, além do fim da chibata e do “bolo”, um outro tipo de castigo físico. O verdadeiro redator da carta continua um mistério, mas alguns pesquisadores atribuem a autoria ao marinheiro Francisco Dias Martins, outros ao Adalberto Ferreira Ribas. Estes dois eram dos poucos marinheiros que sabiam ler e escrever. A existência dessa carta ficou desconhecida da população na época, somente as autoridades ficaram sabendo dela, e foi revelada anos mais tarde.
Leia e analise o texto da carta dos marinheiros:
“Rio de Janeiro, 22 de novembro de 1910
Il.mo e Ex.mo Sr. Presidente da República Brasileira
Cumpre-nos comunicar a V. Ex.a, como Chefe da Nação brasileira:
Nós, marinheiros, cidadãos brasileiros e republicanos, não podendo mais suportar a escravidão na Marinha brasileira, a falta de proteção que a Pátria nos dá; e até então não nos chegou; rompemos o negro véu que nos cobria aos olhos do patriótico e enganado povo.
Achando-se todos os navios em nosso poder, tendo a seu bordo prisioneiros todos os oficiais, os quais têm sido os causadores da Marinha brasileira não ser grandiosa, porque durante vinte anos de República ainda não foi bastante para tratar-nos como cidadãos fardados em defesa da Pátria, mandamos esta honrada mensagem para que V. Ex. a faça aos marinheiros brasileiros possuirmos os direitos sagrados que as leis da República nos facilita, acabando com a desordem e nos dando outros gozos que venham engrandecer a Marinha brasileira; bem assim como: retirar os oficiais incompetentes e indignos de servir à Nação brasileira. Reformar o código imoral e vergonhoso que nos rege, a fim de que desapareça a chibata, o bolo e outros castigos semelhantes; aumentar o nosso soldo pelos últimos planos do ilustre Senador José Carlos de Carvalho, educar os marinheiros que não têm competência para vestir a orgulhosa farda, mandar pôr em vigor a tabela de serviço diário, que a acompanha.
Tem V. Ex.a o prazo de 12 horas para mandar-nos a resposta satisfatória, sob pena de ver a Pátria aniquilada.
Bordo do encouraçado São Paulo, em 22 de novembro de 1910.
Nota: Não poderá ser interrompida a ida e volta do mensageiro.
Marinheiros.”
MOREL, Edmar. A Revolta da Chibata: subsídios para a história da sublevação na Esquadra pelo marinheiro João Cândido em 1910. 5ª edição comemorativa do centenário da Revolta da Chibata, organizada por Marco Morel. São Paulo: Paz e Terra, 2009.
NASCIMENTO, Álvaro Pereira do. Cidadania, cor e disciplina na Revolta dos Marinheiros de 1910. Rio de Janeiro: Mauad X : FAPERJ, 2008.
O Estouro da Revolta
Encouraçado Minas Gerais
Em 22 de novembro de 1910, os marinheiros dos navios Minas Gerais, Bahia, São Paulo e Deodoro se revoltaram contra seus comandantes, por questões de castigos corporais e falta de estrutura para trabalhar, como alimentação ruim, horários de trabalho pesados e a falta de treinamento para os novos navios comprados recentemente da Inglaterra. João Cândido, o líder dos revoltosos, assumiu o comando do encouraçado Minas Gerais, e os navios participantes da Revolta apontaram seus canhões para a cidade do Rio de Janeiro, que na época era a capital federal. A Revolta dos Marinheiros já estava sendo preparada há alguns meses, ainda na Inglaterra enquanto esperavam a conclusão da fabricação dos navios, mas o castigo de 250 chibatadas dado ao marinheiro Marcelino Rodrigues no dia anterior por ele ter levado uma garrafa de cachaça a bordo adiantou o levante e eles tiveram apenas um dia para orquestrar os pontos decisivos do confronto.
Veja o relato de João Cândido sobre esse momento:
Marinheiro João Cândido
“Pensamos no dia 15 de novembro. Acontece que caiu forte temporal sobre a parada militar e o desfile naval. A marujada ficou cansada e muitos rapazes tiveram permissão para ir à terra. Ficou combinado, então, que a Revolta seria entre 24 e 25. Mas o castigo de 250 chibatadas no Marcelino Rodrigues precipitou tudo. O comitê resolveu, por unanimidade, deflagrar o movimento no dia 22. O sinal seria a chamada da corneta das 22 horas. O Minas Gerais, por exemplo, por ser muito grande, tinha todos os toques repetidos na proa e popa. Naquela noite o clarim não pediria silêncio e sim combate. Cada um assumiu o seu posto e os oficiais de há muito já estavam presos em seus camarotes. Não houve afobação. Cada canhão ficou guarnecido por cinco marujos, com ordem de atirar para matar contra todo aquele que tentasse impedir o levante.
Às 22h50min, quando cessou a luta no convés, mandei disparar um tiro de canhão, sinal combinado para chamar à fala os navios comprometidos. Quem primeiro respondeu foi o São Paulo, seguido do Bahia. O Deodoro, a princípio, ficou mudo. Ordenei que todos os holofotes iluminassem o Arsenal da Marinha, as praias e as fortalezas. Expedi um rádio para o Catete, informando que a Esquadra estava levantada para acabar com os castigos corporais.
Os mortos, na luta, foram guardados numa improvisada câmara mortuária e, no outro dia, manhã cedo, enviei os cadáveres para terra.
O resto foi rotina de um navio de guerra.”
MOREL, Edmar. A Revolta da Chibata: subsídios para a história da sublevação na Esquadra pelo marinheiro João Cândido em 1910. 5ª edição comemorativa do centenário da Revolta da Chibata, organizada por Marco Morel. São Paulo: Paz e Terra, 2009.
NASCIMENTO, Álvaro Pereira do. Cidadania, cor e disciplina na Revolta dos Marinheiros de 1910. Rio de Janeiro: Mauad X : FAPERJ, 2008.





http://www.trampoescolar.com – Trabalhos Escolares, Educação e Diversão! ENEM, VESTIBULAR, TRABALHOS ESCOLARES DE TODAS AS MATÉRIAS COMO: BIOLOGIA, ED. FÍSICA, FÍSICA, GEOGRAFIA, HISTÓRIA, INFORMÁTICA, LITERATURA, MATEMÁTICA, PORTUGUÊS, QUÍMICA E MUITO MAIS!!!
tudo grátis -> trabalhos escolares prontos, trabalhos feitos, trabalhos acadêmicos, trabalhos universitários,  monografias, teses, tcc, trabalho de conclusão de curso, informativos, livros, revistas, artigos, artigos científicos, artigos imparcialistas, documentos de investigações, monografias, resenhas, paper, ensaios, bibliografias, textos,  traduções, regras ABNT, Vancouver, digitações, dissertações, projetos, pesquisas, conteúdos para o ensino médio, fundamental, vestibulares e cursos, coletâneas, frases, conclusões, mensagens, citações, temas, textos jornalísticos, gêneros literários, arquivos, relatórios, apostilas, publicações, revisões, anteprojetos, resenhas, orientações, poesias, receitas, doutrinas, plano de negócios. Educação, educacional, escola, escolar, escolres, estudos, estudante, estudando, professor, professora, professores, ensino, ensinar, ensinando, instrução, instruir, instruído, instruindo, educar, educando, eduque. Tudo gratuito, gratuitamente, grátis. geografia, geofísica egeologia. Trabalhos Escolares, normas abnt, trabalhos prontos, monografia, trabalhosescolares, Encontre aqui trabalhos escolares prontos gratis, faca sua pesquisa escolar em milhares de trabalhos prontos e artigos revisados.
Monografia, monografias, trabalhos prontos revisados, tcc tema. Milhares de trabalhos prontos, monografias, teses, tcc …. trabalhos de universidades, resenha, Paper, Ensaio, Bibliografia, Trabalhos Escolares.
Trabalhos Escolares – Cola da Web coladaweb trabalhos-escolares O Cola da Web facilita sua vida escolar e acadêmica ajudando você em suas pesquisas, trabalhos escolares e de faculdade…. O Cola da Web NÃO faz a venda
Cola da Web – Pesquisa Escolar – Trabalhos Escolares Prontos, Encontre aqui trabalhos escolares e acadêmicos prontos grátis, faça sua pesquisa escolar em milhares de artigos, lista de resumos, downloads de livros e Imagens de trabalhos escolares
Brasil Escola – Educação, vestibular, guerras, pedagogias, Trabalho escolar, trabalhos escolar, trabalho pronto escolar, trabalho escolar pronto, biblioteca virtual, educação, escola, apostilas, trabalhos escolares,
Trabalho Escolar – Pesquisas Escolares – Grupo Escolar O Grupo Escolar é um canal de estudos repleto de pesquisas escolares sobre diversos temas. Faça seu trabalho escolar aqui e estude muito!
Trabalhos Escolares – como fazer, orientações, partes de um, trabalho.htm trabalho escolar, como fazer, pequisa, partes, etapas, dicas.
Pesquisa Escolar – Trabalhos Escolares, pesquisa-escolar de beleza indescritível poderia ter inspirado os elogios de Caminha à nova terra. Internet · Universidades. Páginas de Pesquisas. Trabalhos Escolares▻
Monografias Prontas & Trabalhos Prontos Escolares Trabalhos escolares, Trabalhos Prontos e Monografias Prontas para entrega. Elaboramos trabalhos escolares, monografias prontas, trabalhos prontos e Trabalhos de Qualidade Prontos, Assistência a Qualquer Trabalho, TrabalhosFeitos – Trabalhos Escolares e Acadêmicos Prontos; Trabalhos, TrabalhosFeitos é uma crescente comunidade de trabalhos escolares e Anúncio relacionado a trabalhos escolares
TCCs Prontos Exclusivos trabalhosprontos Pesquisas relacionadas a trabalhos feitos trabalhos prontos trabalhos feitos anhanguera trabalhos feitos em casa trabalhos feitos

Advertisements
Standard

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s